Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo do Rio Grande do Sul anunciou que não vai iniciar a vacinação de profissionais da educação como havia sido cogitado. De acordo com o anúncio realizado na quinta-feira, 13, os órgão estaduais irão continuar cumprindo o cronograma proposto pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Na quarta-feira, 12, o governo estadual orientou os municípios a realizarem um levantamento sobre os saldos de doses disponíveis que estariam sobrando após o cumprimento da meta de imunização dos grupos prioritários. Porém, com a decisão do STF que suspendeu a decisão judicial do Tribunal de Justiça do RS que autorizava o município de Esteio, a pactuação fica sem efeito. Doses que por acaso tenham sobrado deverão ser aplicadas nos grupos prioritários das comorbidades.