Com novo chefe, o Ministério da Educação começa a passar pela aguardada reformulação de sua equipe. Nesta segunda-feira, 27, foram exonerados quatro integrantes da chamada “ala ideológica” que dominava a gestão passada.

Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022VEJA/VEJA

As demissões de Sérgio Sant’anna, Auro Hadano, Victor Metta e Eduardo Celino estão no Diário Oficial e foram assinadas pela novo número dois da pasta, Victor Godoy Veiga.

Olavista, Sant’anna chegou a ser cotado para ocupar o cargo de ministro, e é amigo de Eduardo Bolsonaro. Ele atuava como assessor especial de Abraham Weintraub.

Também assessor especial do ex-ministro, Hadano advogou para ele em causas particulares, como os processos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal. Metta e Celino também estavam na função de assessor especial.

No MEC, o que se comenta é que as demissões dos reminiscentes de Weintraub não devem parar por aí.

Continua após a publicidade