Nomeado por Jair Bolsonaro para o Ministério da Educação, o pastor da Igreja Presbiteriana Milton Ribeiro, de 62 anos, é apontado como o “oposto” de Abraham Weintraub – uma pessoa “moderada”.

Fontes ouvidas pelo Radar afirmam que Ribeiro, ex-vice-reitor da Universidade Mackenzie, passa longe do perfil afeito a polêmicas de seu antecessor na pasta. O novo chefe do MEC é próximo ao ministro da Justiça, André Mendonça, também ele pastor presbiteriano.

“Podemos dizer que é o oposto de Weintraub: discreto, de trato gentil e distante de polêmicas”, afirmou um interlocutor.

Doutor em Educação pela USP, segundo consta em seu currículo na plataforma Lattes, ele assume o MEC com o desafio de se equilibrar entre a ala militar do governo, avessa à ideologização da educação, e os seguidores de Olavo de Carvalho, que nesta sexta-feira ganharam novo fôlego com a nova composição do Conselho Nacional de Educação.

Continua após a publicidade