Ciente de que seria demitido antes mesmo de ser empossado no cargo por Jair Bolsonaro, o agora ex-ministro da Educação Carlos Alberto Decotelli promoveu na noite desta segunda-feira uma espécie de posse informal no cargo.

Para espanto dos servidores do corpo técnico que assistiram ao ato, Decotelli se declarou ministro e chegou a assinar um termo de posse, o que foi lido como forma de pressionar o Planalto a não demiti-lo.

“Ninguém sabia muito bem o que estava acontecendo”, diz um servidor que acompanhou a cerimônia reservada, realizada após a reunião do então ministro com o presidente.

Não surtiu muito efeito. Sem tomar posse de fato, Decotelli, diante do fiasco do currículo fraudado, entregou uma carta de demissão a Jair Bolsonaro nesta terça-feira.

 

Continua após a publicidade